Fever

Apresentação

Fever: luta de classes sob a pandemia

A pandemia do Covid-19 está colocando os trabalhadores ao redor do mundo diante de um problema comum e simultâneo. A situação atual serve, na prática, como um laboratório para o capital e governos reestruturarem forças produtivas e aprimorarem suas tecnologias de exploração e controle. Os expedientes de repressão que estão se estabelecendo agora provavelmente vieram para ficar. Essa suspensão da normalidade intensifica os conflitos em torno do trabalho e da reprodução. Notícias de proletários lutando aparecem ao redor do globo: protestando contra as condições de higiene nos locais de trabalho, fazendo greves selvagens em recusa ao trabalho, motins em prisões, organização para boicotes de alugueis etc.
Não é nosso papel propor soluções para ajudar o capitalismo a sair da crise. Todas as soluções capitalistas — capitalismo de Estado, capitalismo liberal ou verde, e mesmo a autogestão da miséria capitalista — significam a manutenção da exploração.

Nossos esforços devem se centrar nos conflitos ligados à exploração: sob quais condições continuamos sendo obrigados a trabalhar? Como ficam nossos salários na quarentena? Teremos que repor as horas paradas? Haverá demissões? E para trabalhadores autônomos, de aplicativo, ou com contratos precários? Como vamos pagar aluguel no fim do mês? E nas prisões? E quanto aos migrantes, encurralados entre fronteiras cada vez mais militarizadas, centros de detenção ou campos de refugiados superlotados?
Como se trata de uma questão global, parece urgente estabelecermos uma plataforma de monitoramento e intercâmbio ao redor dessas lutas. Uma plataforma que nos permita mapear, investigar, divulgar, discutir, pôr em contato e estimular experiências de enfrentamento proletários durante a pandemia.
Nosso objetivo é construir um intercâmbio de formulação coletiva entre grupos autônomos de trabalhadores de diferentes países. Os princípios editoriais do Fever estão baseados em critérios comuns mínimos:

(1) Fever vai se focar na luta de classes. Tomamos o lado da classe trabalhadora, engajados em lutas contra as divisões que nos separam entre trabalhadores de colarinho branco ou azul, e entre empregados do setor privado e do público. Contra o Estado, que faz de alguns de nós “ilegais” e outros “com papeis”, mas sem emprego e sem direitos. Nós combatemos as divisões que nos veem apenas como nacionalidades ou qualquer outra identidade. Por outro lado, não queremos continuar sendo trabalhadores, e apenas através do nosso envolvimento em comunidades de luta podemos abolir o mundo da mercadoria e do trabalho assalariado. Ao mesmo tempo, é importante analisar os movimentos de nossos inimigos — os capitalistas e o Estado —, uma vez que a pandemia os força a reestruturar o processo de produção. Nesta crise, como em geral, o Estado está organizando a defesa do capital e da propriedade privada em detrimento dos interesses dos trabalhadores. A vitória das nossas lutas exige a destruição do Estado, o que nós precisamos pensar em termos práticos. Estamos encarando mecanismos de contrainsurgência preventiva e esse site será um espaço para pensar sobre essa questão estratégica para o movimento.

(2) Fever não está interessado em programas abstratos ou listas de reivindicações dissociadas de processos de luta concretos.

(3) Fever recusa tendências conspiracionistas e negacionistas. Nós estamos vivendo uma pandemia: milhares de pessoas estão morrendo ao redor do globo. Negar esse fato é insanidade. Por outro lado, do ponto de vista proletário, celebrar o impacto “ecológico” ou “revolucionário” do massacre do covid-19 é não apenas estúpido, mas também sinal de um mórbido elitismo.

Os textos serão publicados principalmente em inglês, e então traduzidos ao máximo de línguas possível. Nos focaremos em relatos de lutas e artigos de análise. Divergências e controvérsias são importantes para a reflexão: partindo desses princípios básicos, queremos estimular debates públicos.

Também faz parte dos nossos objetivos criar novos vínculos entre camaradas proletários ao redor do mundo. Se você quiser enviar um texto ou somar esforços com o Fever, contacte-nos!